Buscar
  • Kadimah

Shira Eting, fala sobre os desafios femininos

A Universidade de Haifa, em parceria com o grupo de Liderança e Networking, ELF/Fisesp, promoveu um webinar com Shira Eting, que contou sobre sua experiência ímpar no exército de Israel.




Shira, que além de ser instrutora de voo, também pilota helicópteros de combate, iniciou o evento online cravando que as diferenças de gêneros são reais: ‘’homens e mulheres não são iguais e temos de agir para melhorar esta situação’’.

Ela reforçou que o fato não é culpa exclusiva de ninguém, mas que o sistema funciona assim por anos.

Para ela, a questão chave que envolve a diferença de gêneros, principalmente em locais como o exército de Israel, requer uma mudança iminente de comportamento.

Ela exemplificou o abismo de diferenças: entre 1998 e 2020, 62 mulheres se graduaram no exército de Israel, em contrapartida a 1800 homens se formando – foram 2 ou 3 meninas, em um grupo de 40 cadetes.

Ou seja, neste período, as mulheres representaram aproximadamente 3% do contingente.

Shira reforçou: ao longo dos anos, a situação não melhorou.

Para efeitos de comparação, ela mostrou a porcentagem de mulheres que se formam na Academia da Nasa.

Por lá, nos EUA, elas chegam a 40% do time.

Para a piloto e instrutora, muitos fatores contribuem para que poucas mulheres busquem o exército em Israel.

Segundo Shira, falta motivação, pois as mulheres são menos confiantes e, além disso, têm dificuldade em lidar com a solidão que acompanha os anos de formação.

E frisou que também sofrem desde pequenas com uma educação que ressalta as tradicionais diferenças de gêneros.

‘’Há um fator da legislação local, já que os homens não podem abandonar o serviço militar, enquanto as mulheres podem’’, completou Eting.

Para a instrutora, há também barreiras mais enraizadas que acabam interferindo na baixa adesão: não existem vestuários femininos e o comportamento do exército em geral é mais calcado no machismo estrutural.

‘’Homens não podem chorar e mulheres choram, sendo assim consideradas mais frágeis. Isso atrapalha o contrabalanço de gêneros’’.

Ao final do evento, Shira lançou um alerta: ‘’para que esta situação mude, precisamos abrir as nossas cabeças e pensar de uma maneira mais profunda, a longo prazo’’.

Ela ainda lembrou que há a questão relacionada à maternidade, que não precisa ser necessariamente um impedimento para que mulheres avancem na carreira.

Para Shira, ‘’as mulheres, além de gestar e amamentar, também podem ser responsáveis por formar novas gerações com uma nova mentalidade, mais aberta.

E os homens, para que a equação do equilíbrio feche, podem ajudar mais nas tarefas domésticas, em um esforço conjunto’’.


O webinar, promovido pela Universidade de Haifa Brasil pode ser visto

https://www.youtube.com/watch?v=jiZiDUOAeEk

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação