Buscar
  • Kadimah

Novo amanhecer: a comunidade judaica portuguesa ganha vida

Nos últimos anos, a comunidade judaica do Porto reconstruiu a sinagoga principal, realizou festividades com centenas de pessoas e abriu um hotel kasher para servir os turistas judeus.



Especialistas em história judaica global acreditam que destacar as vozes das minorias dentro da comunidade judaica tem o poder de honrar suas nuances e interconexão.

A nova série do JNS destacando as minorias étnicas judaicas visa elevar suas vozes e, por sua vez, celebrar o belo mosaico que é o povo judeu.


A história dos judeus em Portugal é anterior à fundação oficial do país em 1143, pois os judeus viveram no reino por milênios, mesmo antes do Império Romano.

O povo judeu prosperou na terra, foi expulso dela, voltou e, nos últimos seis anos, experimentou um renascimento.


Ao longo dos séculos XII a XV, a pequena comunidade judaica em Portugal, com cerca de 70.000 pessoas, prosperou e foi bem vista, ocupando posições de destaque no reino.

Como o édito espanhol de expulsão foi dado em 1492, cerca de 120.000 judeus espanhóis fugiram para Portugal, embora os portugueses tenham emitido seu próprio édito de expulsão em 1496, fazendo com que os judeus fugissem para a Turquia, Marrocos, Síria, Amsterdã e outros países.

Alguns permaneceram como judeus praticantes e se esconderam; na verdade, uma comunidade de "judeus secretos" continuou a praticar nas montanhas de Portugal, mas não foi descoberta até o século XX.

Outros se converteram e milhares foram mortos.

O édito de expulsão não foi extinto até o século 19 e, como resultado, houve muito poucas oportunidades para uma florescente comunidade judaica até recentemente.

No final do século XIX, começaram a chegar colonos judeus de Marrocos e Gibraltar, bem como mercadores Ashkenazi da Polónia, Rússia e Alemanha, fundando uma congregação em Lisboa, e posteriormente no Porto, de modo que no início

do século XX , a prática judaica voltou a Portugal.


Hoje, Portugal acolhe entre 5.000 e 6.000 judeus, sendo a maioria em Lisboa e no Porto, cujas comunidades têm cerca de 500 membros formais cada.

A maioria dos judeus está espalhada por Portugal e não é filiada a comunidades religiosas.

Há também uma pequena comunidade de Belmonte - 85 pessoas da área converteram-se ao judaísmo antes de um beit din (tribunal rabínico) em 1991.

"Foram os últimos criptojudeus portugueses", Dara Jeffries, líder da comunidade judaica do Porto , disse.

A esmagadora maioria dos membros da comunidade judaica em Portugal descendem de famílias tradicionais sefarditas que durante séculos viveram em países dos Balcãs como a Macedônia, Grécia, Bulgária e a ex-Iugoslávia, bem como em países árabes ou muçulmanos, incluindo Turquia, Líbano, Síria Marrocos, Argélia, Egito, Tunísia e Líbia.

Nestes locais, os casamentos entre judeus de origem portuguesa e judeus de origem espanhola foram comuns durante muitas gerações.

A comunidade é, portanto, mista, com origens ortodoxas, liberais, asquenazes e sefarditas integradas em uma comunidade.

Jeffries divide seu tempo entre Portugal e Miami, onde exerce advocacia.

Ela nasceu na Espanha, filha de pais expatriados americanos que se mudaram para Portugal quando ela tinha oito anos. Como membro do conselho da comunidade judaica e com seu marido, um ex-presidente do conselho, sua família está intimamente envolvida na comunidade e lidera os esforços de documentação e pesquisa no departamento cultural local.

“Portugal é um destino de referência na Europa e no mundo, pois tem muita história, é um país muito amigo e acolhedor, e para os judeus é muito seguro.

Mesmo sob o fascismo, os judeus conseguiram abrir caminho através ", disse Jeffries ao JNS , observando que" refugiados da Alemanha nazista encontraram seu caminho para a liberdade através de Portugal. "


Os judeus portugueses são "muito acolhedores", disse Jeffries, e desfrutam de uma forte infraestrutura judaica, como centros de juventude, restaurantes kosher e hotéis, um micvê e museus.

Em 2019, um museu judaico foi inaugurado no Porto pelo presidente da B'nai B'rith International.

Este ano, um museu do Holocausto, em cooperação com a B'nai B'rith International e museus do Holocausto em todo o mundo, foi fundado no Porto - a primeira na Península Ibérica.

De acordo com Jeffries, a comunidade judaica do Porto tem membros de mais de 30 países, o seu próprio tribunal rabínico e um cemitério. A comunidade tem uma "abordagem ecumênica" para se relacionar com seus vizinhos não judeus, disse Jeffries, e se concentra na educação e divulgação, cooperando e trabalhando em projetos conjuntos com a diocese católica e as comunidades muçulmanas, e projetando uma "boa imagem de harmonia religiosa. "

Ainda assim, não existe educação de qualidade para crianças sobre o Judaísmo e o Povo Judeu em Portugal, e o antissemitismo começou a "surgir, como na Europa como um todo.

Então isso é algo em que estamos muito focados e nossa razão para abrir o Museu do Holocausto ", explicou Jeffries.

"Poucos sabiam sobre o Holocausto em Portugal quando eu cresci, e havia teorias de conspiração sutis na opinião pública e na imprensa.

" Essas inverdades se espalharam ainda mais hoje, ela continuou, à medida que caricaturas políticas antissemitas e comentários sobre judeus, a pandemia global de coronavírus e as vacinas proliferaram na imprensa.

No geral, porém, a comunidade está florescendo, de acordo com aqueles que a conhecem, e recentemente experimentou um renascimento.

Em 2012 e 2013, o edifício principal da sinagoga do Porto foi reabilitado; as primeiras festividades foram realizadas com centenas de pessoas, e um hotel kasher foi inaugurado para servir aos turistas judeus.

Em 2015, foi aprovada legislação que permite aos descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal adquirir a nacionalidade portuguesa.


De acordo com Jeffries, nos últimos seis anos, a lei teve efeitos extremamente positivos. “Tem havido um enorme crescimento na comunidade judaica portuguesa em geral; investimentos de bilhões de euros pelos sefarditas na economia nacional; construção de novas salas de oração, mikvahs, cemitérios judaicos, centros achdut (“ unidade ”) para jovens e kashrut para hotéis, restaurantes e supermercados; museus judeus; um centro Chabad; um museu do Holocausto; cinema judaico e a produção de quatro filmes de história premiados internacionalmente. "


A comunidade também hospedou "numerosas conferências, festivais, concertos de música ladino, centros culturais judaicos ... [está] financiando a recuperação de arquivos da Inquisição (que estavam apodrecendo e em perigo de serem perdidos para sempre) ... [e encorajando] as massas judias turismo, incluindo dezenas de milhares de turistas sefarditas ", relatou ela.


Quanto aos muitos milhares de descendentes de judeus portugueses que vivem fora de Portugal, a sua identidade raramente foi mantida, embora haja muito a preservar, de acordo com Jeffries.

Isso inclui a língua do ladino, bem como as memórias dos judeus portugueses.

Através dos museus portuenses, espera divulgar o conhecimento sobre os judeus portuenses e a sua história.

Fonte JNS.org


571 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação