Buscar
  • Kadimah

Ministro confirma iniciativa de assinar acordo histórico com os Estados Árabes

Validando o relatório, Israel Katz diz que se encontrou com os principais diplomatas dos países do Golfo, em uma tentativa de "acabar com o conflito e permitir a cooperação civil até a assinatura de acordos de paz".


Por RAPHAEL AHREN

O ministro das Relações Exteriores Israel Katz na Grande Mesquita Sheikh Zayed, em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, durante uma conferência climática da ONU na cidade, no final de junho de 2019.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, confirmou que está promovendo tratados de não agressão com vários países árabes no Golfo, uma démarche "histórica" ​​que, segundo ele, pode acabar com o conflito entre Jerusalém e esses estados.


"Recentemente, tenho promovido, com o apoio do primeiro-ministro, uma iniciativa diplomática para assinar 'acordos de não agressão' com os países do Golfo Árabe", escreveu Katz no Twitter.


"É uma ação histórica que acabará com o conflito e permitirá a cooperação civil até a assinatura de acordos de paz", disse ele, no que parecia ser um reconhecimento tácito de que nenhum país árabe está atualmente disposto a estabelecer relações diplomáticas completas com o Estado judeu como enquanto o conflito israelense-palestino permanecer sem solução.


Katz confirmou ainda que apresentou seu plano a vários ministros das Relações Exteriores árabes durante sua visita a Nova York, à margem da Assembléia Geral das Nações Unidas. Ele também discutiu a proposta com o enviado especial do governo para o processo de paz, Jason Greenblatt, disse Katz.


"Continuarei trabalhando para fortalecer a posição de Israel na região e em todo o mundo", prometeu.


O tweet de Katz incluiu um link para um relatório transmitido pelo Canal 12, que primeiro revelou a existência da iniciativa potencialmente inovadora.

A reportagem da TV, que não citou uma fonte, disse que o acordo foi elaborado para proporcionar relações bilaterais amigáveis, cooperação em uma variedade de campos e nenhuma guerra ou incitamento, já que Israel e os estados do Golfo enfrentam um Irã cada vez mais beligerante.


Em 23 de setembro, Katz twittou que mantinha conversas com um colega não identificado de um país árabe com o qual Israel não tem relações formais e disse que discutiram "maneiras de lidar com a ameaça iraniana" e um processo para impulsionar "a cooperação civil. "


Katz concordou com seus interlocutores árabes do Golfo durante "uma série de reuniões" em Nova York para formar equipes de trabalho para levar adiante o acordo de não agressão, disse a reportagem da TV.


O esboço das cláusulas inclui compromissos de desenvolver “relações e cooperação amistosas”, de acordo com a Carta da ONU e o direito internacional; impedir hostilidade ou incitação à hostilidade um contra o outro; e evitar qualquer aliança militar ou de segurança com outras partes umas contra as outras.


Entre outros elementos, segundo a reportagem da TV, o texto preliminar especifica a cooperação na luta contra o terror e na promoção de interesses econômicos.


Katz participou da Assembléia Geral em nome do Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu, que permaneceu em Israel enquanto ele tenta negociar uma coalizão majoritária. O primeiro-ministro planejava participar da reunião da ONU e se reunir à margem do presidente dos EUA, Donald Trump, que havia dito no mês passado que pretendia discutir um possível acordo de defesa mútua EUA-Israel.


O ministro das Relações Exteriores, Israel Katz, e seu colega do Bahrein, Khalid bin Ahmed Al-Khalifa (direita), posam para uma foto no Departamento de Estado em Washington em 17 de julho de 2019.

Katz, que também é ministro da Inteligência, já se reuniu com altas autoridades árabes pelo menos duas vezes: no início de julho, ele encontrou um alto funcionário dos Emirados durante uma visita à cidade do Golfo de Abu Dhabi. No final daquele mês, ele compartilhou uma foto com o ministro das Relações Exteriores do Bahrein, Khalid bin Ahmed Al Khalifa, durante um evento organizado pelo Departamento de Estado dos EUA em Washington. Ele marcou a instância rara em que um funcionário árabe topa em sair publicamente documentado ao conhecer uma figura sênior israelense.


Em novembro de 2018, Katz viajou para Omã para participar de uma conferência internacional de transporte. "Na minha opinião, a cooperação entre Israel e os estados do Golfo pode e deve ser ampliada", disse ele na época. "Israel também tem muito a oferecer quando se trata de dessalinização e irrigação da água, agricultura e medicina".


Em seu discurso na ONU no mês passado, Katz enfatizou que Israel “tem uma política clara para promover laços e normalização com os Estados árabes do Golfo".


O ministro das Relações Exteriores Israel Katz profere um discurso durante a 74a sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas em 26 de setembro de 2019 na sede das Nações Unidas em Nova York. (Johannes EISELE / AFP)
"Não temos conflito com os estados do Golfo e temos interesses comuns no campo da segurança contra a ameaça iraniana, bem como no desenvolvimento de muitas iniciativas civis conjuntas", disse ele.

"Israel possui muitas capacidades em muitas áreas, incluindo alta tecnologia, inovação, agricultura e tecnologia da água, que podem ajudar os estados do Golfo, e os estados do Golfo têm muitas capacidades que também podem ajudar Israel", observou ele.


"Espero que essa cooperação leve à assinatura de acordos de paz entre nossos países, como fizemos com o Egito e a Jordânia."


Em agosto, Katz disse que era realista ao esperar acordos formais de paz com países moderados do Golfo Sunita dentro de alguns anos.


____

Fonte: Times of Israel

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação