Buscar
  • Kadimah

Malawi será o primeiro país africano a abrir embaixada em Jerusalém

Em uma declaração em vídeo durante uma visita a Israel, o ministro das Relações Exteriores do Malaui, Eisenhower Mkaka, considera a decisão um "passo ousado e significativo".

Por  Ariel Kahana


O Malauí disse na terça-feira que abrirá uma embaixada completa para Israel em Jerusalém, tornando-se a primeira nação africana a fazê-lo na cidade.


Uma declaração em vídeo durante uma visita a Israel, o ministro das Relações Exteriores do Malaui, Eisenhower Mkaka, chamou a decisão de "um passo ousado e significativo".

Ele parabenizou Israel por suas relações emergentes com países árabes e muçulmanos sob acordos mediados pelos EUA, incluindo novos laços com o país africano Sudão, que Israel saudou como o início de uma "nova era" na região.


O ministro das Relações Exteriores, Gabi Ashkenazi, disse ao lado de Mkaka:

"Estou ansioso pela abertura de sua embaixada em breve e tenho certeza de que mais líderes africanos seguirão essa decisão".

A embaixada deve ser inaugurada no verão de 2021, disse o Ministério das Relações Exteriores.

Solicitado a confirmar a decisão da embaixada, Brian Banda, assessor do presidente do Malaui, Lazarus Chakwera, disse:

"Sim, está indo em frente, embaixada completa em Jerusalém".

O Malawi é um país de maioria cristão com 21 milhões de habitantes, mas não tem embaixada em Israel.

O embaixador não residente de Israel no Malaui, Oded Joseph, está baseado em Nairóbi, Quênia.

O Embaixador de Israel nas Nações Unidas, Gilad Erdan, elogiou o anúncio do Malaui. "Obrigado, Malaui, por reconhecer a verdade histórica de que Jerusalém é a capital eterna do povo judeu e do Estado de Israel", ele tuitou.


O presidente dos EUA, Donald Trump, que busca a reeleição na terça-feira, enfureceu os palestinos ao reconhecer Jerusalém como a capital de Israel no final de 2017.

Ele transferiu a embaixada dos EUA para lá no ano seguinte.

A Guatemala mudou sua embaixada para Jerusalém logo depois, e Honduras disse que pretende fazer o mesmo até o final de 2020.

O Brasil e a República Dominicana também estão considerando a mudança.

Fonte Israel Hayom

13 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação