Buscar
  • Kadimah

Judeus lituanos criticam Putin por 'falsificar' a história da anexação da Segunda Guerra Mundial

Líderes comunitários dizem que a população judaica se tornou o grupo étnico mais perseguido pelos ocupantes soviéticos durante a 'escravidão' do país




Os líderes judeus da Lituânia acusaram na terça-feira o presidente russo Vladimir Putin de "falsificar" a história depois de defender a anexação soviética dos estados bálticos durante a Segunda Guerra Mundial. Enquanto prestava homenagem àqueles que morreram lutando contra os nazistas, a comunidade judaica rejeitou a tentativa de Putin de minimizar os crimes soviéticos na Lituânia e nos países bálticos da Letônia e Estônia. "Nós, os descendentes dos judeus da Lituânia, nos opomos a essa falsificação da história da escravização de nossa Lituânia independente", disse a líder da comunidade Faina Kukliansky e o parlamentar Emanuelis Zingeris. Eles emitiram uma declaração conjunta em resposta ao artigo de Putin na revista americana The National Interest no início deste mês, no qual ele descreveu a anexação dos países bálticos como "incorporação".

"A adesão deles à URSS foi implementada contratualmente, com o consentimento das autoridades eleitas", escreveu Putin, dizendo que estava "alinhado com as leis internacionais e estaduais da época". Putin acusou repetidamente o Ocidente de minimizar a contribuição soviética à derrota nazista - cerca de 27 milhões de soldados e civis soviéticos foram mortos na Segunda Guerra Mundial. Mas para muitos nos estados bálticos, que eram estados independentes após a Primeira Guerra Mundial, a aquisição soviética marcou o início de décadas de ocupação soviética, muitas vezes brutal, em vez de libertação.

"Os judeus lituanos que tinham garantia de continuidade étnica na Lituânia independente se tornaram o grupo étnico mais perseguido pelos ocupantes soviéticos", disseram líderes judeus.

“A maioria dos judeus da Lituânia não queria um governo soviético.

A luta maciça mais tarde pela União Soviética e seus satélites contra o sionismo se tornou a marca registrada de todo o período do regime comunista. ”

Os soviéticos invadiram os estados bálticos em 1940 sob seu infame pacto Molotov-Ribbentrop com a Alemanha nazista.

Um ano depois, em junho, eles deportaram cerca de 43.000 cidadãos do Báltico, incluindo milhares de judeus. Essa iniciativa foi interrompida quando a Alemanha atacou seus ex-aliados no mesmo mês, expulsando o Exército Vermelho da região do Báltico quando invadiu a União Soviética.

Em 1944-45, os soviéticos acabaram com a ocupação nazista - durante a qual quase todos os judeus da região foram mortos - anunciando as deportações renovadas de centenas de milhares e provocando uma resistência armada que só terminou em 1953.

Moscou se recusa a reconhecer a ocupação soviética dos estados bálticos como uma ocupação e nunca ofereceu desculpas ou reparações.

Em março de 1990, a Lituânia se tornou a primeira república soviética a declarar independência, antes de ingressar na União Européia e na OTAN em 2004.

Fonte Times of Israel

149 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação