Buscar
  • Kadimah

Israel vai se juntar à União Africana como observador depois de ser mantido fora por 2 décadas

Jerusalém dá um grande passo em seus crescentes laços com o continente; 'este é um dia de celebração para as relações Israel-África', disse o Ministro das Relações Exteriores Lapid

Por LAZAR BERMAN


Israel ingressará na União Africana como estado observador, anunciou o Ministério das Relações Exteriores na quinta-feira.


O embaixador de Israel em Adis Abeba, Aleleign Admasu, apresentou o estatuto de Israel como membro observador da organização continental de 55 membros.

Israel desfrutou do status de observador na Organização da Unidade Africana predecessora até 2002, quando a organização se dissolveu e se tornou a União Africana.

“Este é um dia de celebração para as relações Israel-África”, disse o Ministro das Relações Exteriores Yair Lapid.

“Esta conquista diplomática é o resultado dos esforços do Ministério das Relações Exteriores, da Divisão da África e das embaixadas israelenses no continente.”

“Isso corrige a anomalia que existia por quase duas décadas”, continuou Lapid, “e é uma parte importante do fortalecimento do tecido das relações exteriores de Israel.

Isso nos ajudará a fortalecer nossas atividades no continente e nos Estados membros da organização ”.


Israel tem relações com 46 dos estados membros da UA.

Israel restabeleceu relações com a Guiné em 2016 e com o Chade em 2019.


Em outubro de 2020, Israel também assinou um acordo de normalização com o Sudão.

O Ministério afirmou que o desenvolvimento permitirá uma melhor cooperação no combate à pandemia COVID-19 e no combate ao terrorismo.


O ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu priorizou as relações de Israel com a África durante a última metade de seus 12 anos no cargo, incluindo vários países de maioria muçulmana no continente.

Além de buscar novos mercados para a agricultura israelense, know-how de alta tecnologia e segurança, o ex-primeiro-ministro estava ansioso para melhorar o recorde de votação das nações africanas em assuntos relacionados a Israel em fóruns internacionais como o Conselho de Segurança das Nações Unidas e a UNESCO.

Em julho de 2016, Netanyahu se tornou o primeiro premiê israelense em décadas a viajar ao continente quando visitou quatro nações da África Oriental : Uganda, Quênia, Ruanda e Etiópia.

o

Em dezembro daquele ano, Jerusalém recebeu sete ministros e muitos outros altos funcionários de mais de uma dúzia de países da África Ocidental em uma conferência agrícola em Israel, que foi co-patrocinada pela CEDEAO e Mashav, a Agência de Israel para a Cooperação para o Desenvolvimento Internacional

Em junho de 2017, Netanyahu participou da conferência anual da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), uma organização que inclui 15 nações com uma população combinada de cerca de 320 milhões.


O primeiro-ministro foi convidado para a 51ª Sessão Ordinária da Autoridade dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade em Monróvia, capital da Libéria.

“Israel está retornando à África em grande estilo”, disse o então primeiro-ministro antes da viagem.

Fonte Times of Israel

34 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação