Buscar
  • Kadimah

Equipe liderada por Israel cria um 'Google Map' de RNA cerebral; ajuda contra Alzheimer

Os cientistas sequenciam o RNA dentro do tecido "para resolução nano" e dizem que a descoberta anuncia novos insights sobre a pesquisa do cérebro e porque a imunoterapia só funciona em alguns pacientes com câncer

Por NATHAN JEFFAY



Uma equipe de pesquisa liderada por israelenses afirma ter criado um “Google Map molecular” sem precedentes de um centro de memória do cérebro, em uma primeira aplicação de tecnologia que pode ajudar na luta contra o Alzheimer e outras doenças.


A descoberta permite que os pesquisadores ampliem o RNA (ácido ribonucléico) em resolução em nanoescala sem ter que destruir o tecido para remover o RNA para análise, dando uma visão do tecido cerebral que estava até então fora do alcance dos médicos.


A capacidade de sequenciar o RNA, um bloco de construção da vida que usa as informações do DNA para criar proteínas, transformou a biologia e a medicina.

Mas ao tentar analisar o RNA do tecido cerebral que havia sido destruído, os médicos só conseguiram uma visão muito menos detalhada - como uma lista de cidades em vez de um mapa - criando uma grande barreira para a pesquisa de doenças que afetam a função cerebral.

Na semana passada, uma equipe da Bar Ilan University, Harvard e MIT publicou uma pesquisa revisada por pares na revista Science detalhando como eles conseguiram analisar e mapear o hipocampo de um cérebro, seu principal centro de memória, sem destruir o tecido.

O tecido cerebral que usaram veio de um camundongo, mas eles também provaram seu método em vários tecidos humanos.

Os pesquisadores afirmam que sua tecnologia pode ter benefícios no tratamento de doenças do cérebro como o mal de Alzheimer e outras, incluindo o câncer.


“É o equivalente a ter um mapa do Google vasto e detalhado com a localização dos genes dentro do cérebro e outros tecidos, em vez de uma imagem de baixa resolução ou uma simples lista dos genes que estão lá”, disse o Dr. Shahar Alon, o autor principal do estudo.

“Este novo método nos permite visualizar e medir milhões de moléculas de RNA dentro do tecido com precisão em nanoescala, sem ter que extraí-las como fazíamos anteriormente”, disse ele ao The Times de Israel.

“Podemos aumentar o zoom, assim como você pode no Google Maps, e ver as moléculas bem de perto.”

Para desenvolver o novo método, Alon modificou um gel amplamente disponível feito de acrilamida, “a mesma substância usada nas fraldas para absorver a urina”, e o usou para inchar o tecido até cerca de quatro vezes seu tamanho.

Ele então personalizou os microscópios existentes para dar uma imagem detalhada do RNA.

Analisar o RNA in situ significa que os médicos não só recebem informações sobre a identidade das moléculas, mas também onde exatamente elas estão localizadas dentro do tecido, o que pode ser valioso no avanço da compreensão das doenças, disse Alon.


Esse potencial é mais claro no cérebro, onde a localização das moléculas é conhecida por ser crucial para o funcionamento adequado, especialmente para processos como aprendizagem e memória, afirmou Alon.

“Acreditamos que isso pode dar uma nova ideia de como o Alzheimer afeta a localização dos genes no cérebro, e isso pode ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos”, disse ele.

)

O RNA pode ser usado como um "marcador" ou ferramenta para obter uma imagem ampla do comportamento celular em um tecido, o que significa que a nova pesquisa tem potencial para analisar células cancerosas, disse Alon.

Isso ocorre porque a tecnologia pode ser usada para mostrar como as células cancerosas de um determinado paciente estão sendo afetadas pelas células do sistema imunológico.

“Um dos grandes mistérios da imunoterapia é por que funciona bem em alguns pacientes e não em outros.

Os mapas que estamos construindo poderiam revelar a diferença, em mecanismos biológicos, entre pacientes que estão reagindo e aqueles que não estão.

“Imagine se você pudesse fazer uma biópsia de um paciente e saber com antecedência, com alguma certeza, se a imunoterapia vai ajudar essa pessoa ou não.

Isso pode ser útil para a tomada de decisão dos médicos e no desenvolvimento de novos medicamentos de imunoterapia que ajudam os pacientes que não estão respondendo aos medicamentos atuais ”, disse ele.

Fonte Times of Israel

21 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação