Buscar
  • Kadimah

Descobrindo o antigo Ashkenaz - o berço dos falantes de ídiche

Em mil anos, a busca pela localização de Ashkenaz- considerada o berço dos judeus ashkenazis e da língua ídiche - é uma das mais longas missões da história da humanidade.


O nome do lugar Ashkenaz ocorre três vezes na Bíblia, mas na Idade Média a origem exata do Ashkenaz foi esquecida.

Por causa da migração dos judeus asquenazis , mais tarde se associou à Alemanha .

Isso levou todos os judeus alemães a serem considerados “ashquenazis”, um termo que foi então aplicado aos judeus da Europa Central e Oriental que seguem certos costumes religiosos e que falam ídiche.


A língua ídiche - que consiste em elementos hebraicos, alemães e eslavos e é escrita em aramaico - é falada pelo menos desde o século 9 dC, mas suas origens são debatidas pelos linguistas há vários séculos.

Enquanto alguns sugeriram uma origem alemã , outros acreditam em um começo mais complexo para o idioma , começando nas terras eslavas na Khazaria - o Império Khazar da Idade Média que cobria o sul da atual Rússia, Cazaquistão, Ucrânia e partes do Cáucaso - e seguiu pela Ucrânia e, finalmente, pela Alemanha.

Embora o idioma adotasse um vocabulário alemão, ele mantinha sua gramática eslava - e é por isso que o ídiche é frequentemente chamado de " mau alemão ".


A incapacidade dos linguistas de chegar a um consenso levaram alguns a criticar que o mistério de onde o ídiche veio nunca será resolvido .

Mas agora, pela primeira vez, uma ferramenta pioneira que converte dados do genoma em coordenadas ancestrais está ajudando a identificar o DNA dos falantes de ídiche .


No maior estudo genômico dos judeus ashquenazis , e o primeiro a estudar os falantes de ídiche, aplicamos nossa ferramenta de Estrutura de População Geográfica (GPS) - que opera de maneira semelhante à navegação por satélite em seu carro - aos genomas de mais de 360 Judeus asquenazis de língua iídiche e não iídiche.


Surpreendentemente, nosso GPS chegou ao nordeste da Turquia , onde encontramos quatro aldeias primitivas, uma das quais foi abandonada em meados do século VII dC.

Essas antigas aldeias identificadas pela ferramenta GPS estão agrupadas perto da Rota da Seda - a antiga rede de rotas comerciais - e são nomeadas Iskenaz, Eskenaz, Ashanaz e Ashkuz.

E é provável que estas sejam as aldeias que marcam a localização das terras perdidas de Ashkenaz.


A história de um povo

Localizada na encruzilhada de antigas rotas comerciais, essa região sugere que o idioma iídiche foi desenvolvido pelos judeus iranianos e ashquenazis quando eles negociavam na Rota da Seda desde o primeiro século dC até o século 9, quando chegaram às terras eslavas.

Reunindo evidências de linguística, história e genética, concluímos que os antigos judeus ashquenazes eram comerciantes que desenvolveram o ídiche como língua secreta - com 251 palavras para "comprar" e "vender" - para manter seu monopólio.

Eles eram conhecidos por negociar de tudo, de peles a escravos.


No século 8, as palavras "judeu" e "comerciante" eram praticamente sinônimos , e foi nessa época que os judeus asquenazis começaram a se mudar para o Império Khazar para expandir suas operações mercantis.


Essa migração judaica levou alguns dos governantes turcos do Khazar e vários eslavos do leste que viviam no Império Khazar a se converterem ao judaísmo, para que não perdessem o lucrativo comércio da Rota da Seda entre a Alemanha e a China.


Mas o fim da Khazaria devido a invasões contínuas e, finalmente, a Peste Negra devastou este último Império Judaico da Khazaria .

Isso levou os judeus asquenazis a se dividirem em dois grupos - alguns permanecendo no Cáucaso e outros migrando para a Europa Oriental e a Alemanha.


Os dois grupos ainda se chamavam judeus ashquenazis, mas o nome Ashkenaz tornou-se mais fortemente associado à Alemanha e ao grupo europeu - para quem o ídiche se tornou sua língua principal.


Uma linguagem secreta

Como o nordeste da Turquia é o único lugar no mundo onde os nomes de lugares de Iskenaz, Eskenaz, Ashanaz e Ashkuz existem, isso implica fortemente que o ídiche foi estabelecido por volta do primeiro milênio, numa época em que comerciantes judeus transferiam mercadorias da Ásia para a Europa.

Isso foi feito através do desenvolvimento da linguagem do ídiche, que poucos conseguem falar ou entender além dos judeus.

Evidências adicionais sobre a origem dos judeus ashquenazis podem ser encontradas em muitos costumes - como a quebra de um copo em uma cerimônia de casamento e a colocação de pedras sobre lápides, que provavelmente foram introduzidas pelos convertidos eslavos ao judaísmo.


Ao estudar a origem do ídiche usando nossa tecnologia GPS, combinada com uma abordagem da ciência cidadã, fomos capazes de lançar luz sobre um dos capítulos mais esquecidos da história e demonstrar o uso de ferramentas genéticas bio-geográficas para estudar a origem das línguas.

Para os judeus ashkenazis, esses são os laços que unem sua história, cultura, comportamento e identidade.

Fonte- The conversation.com


493 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação