Buscar
  • Kadimah

Com a nova 'quimio elegante', cientistas israelenses editam genoma para destruir o DNA do câncer

A equipe da Universidade de Tel Aviv usa 'tesouras microscópicas' para localizar e eliminar células cancerosas; resultados de testes em animais recém-publicados, teste em humanos esperado dentro de 2 anos

Por NATHAN JEFFAY





Cientistas israelenses dizem que destruíram células cancerosas em ratos com um método tão preciso que é como se uma “tesoura minúscula” estivesse sendo usada para atingir apenas as células afetadas, deixando tudo ao seu redor intacto.


“Este é o primeiro estudo no mundo a provar que o sistema de edição do genoma CRISPR, que funciona cortando DNA, pode ser usado efetivamente para tratar o câncer em um animal”, disse o Prof. Dan Peer, especialista em câncer da Universidade de Tel Aviv, depois que sua pesquisa revisada por pares foi publicada na revista Science Advances.


“Não há efeitos colaterais e acreditamos que uma célula cancerosa tratada desta forma nunca se tornará ativa novamente”. Ele acrescentou: “Essa tecnologia pode estender a expectativa de vida dos pacientes com câncer e esperamos, um dia, curar a doença”.


Ele disse ao The Times of Israel: “Se pudermos usar essa tecnologia, em três tratamentos podemos destruir um tumor. Essa tecnologia pode cortar fisicamente o DNA das células cancerosas, e essas células não sobreviverão ”.


Peer a chamou de “uma quimioterapia mais elegante” e disse que sonha que ela substituirá esse tratamento, que pode custar muito aos pacientes com câncer porque é administrado em todo o corpo.

A pesquisa usa tecnologia de edição de genoma que atualmente é usada apenas para doenças raras e apenas em células que são removidas do corpo.

Ele foi adaptado para editar - ou “excluir” - células cancerosas.


O artigo da revista Science Advances relatou testes usando a técnica em centenas de ratos, e Peer disse que ela poderia ser usada em humanos em dois anos. Os pesquisadores descobriram que os ratos com câncer que receberam o tratamento tinham o dobro da expectativa de vida do grupo de controle e sua taxa de sobrevivência era 30% maior.

Peer disse que, adaptado ao ser humano, o tratamento será altamente personalizado, adaptado a cada paciente a partir de uma biópsia, e administrado como uma injeção geral ou uma injeção direta no tumor, dependendo do que for mais adequado.

“A tecnologia precisa ser mais desenvolvida, mas o principal é que mostramos que isso pode matar as células cancerosas”, disse ele.

Para o estudo, Peer e sua equipe escolheram dois dos cânceres mais mortais: glioblastoma e câncer de ovário metastático. O glioblastoma é o tipo mais agressivo de câncer cerebral, com expectativa de vida de 15 meses após o diagnóstico e taxa de sobrevida em cinco anos de apenas 3%. Eles planejam desenvolver o tratamento para todos os tipos de câncer.


Ele disse que a injeção consiste em três componentes: uma nanopartícula construída a partir de lipídios, RNA mensageiro que “codifica” a “função de tesoura minúscula” para cortar o DNA e um sistema de navegação que “reconhece” células cancerosas.

“Quando falamos pela primeira vez sobre tratamentos com RNA mensageiro, doze anos atrás, as pessoas pensaram que era ficção científica”, disse Peer.

“Acredito que, em um futuro próximo, veremos muitos tratamentos personalizados baseados em mensageiros genéticos, para câncer e várias doenças genéticas.”

Fonte Times of Israel

75 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação