Buscar
  • Kadimah

Cidade portuguesa marca as rotas percorridas por judeus que fugiam da Inquisição

O Presidente da Câmara de Castelo de Vide, Antonio Pita, associa-se ao Director do B'nai B'rith World Center, Alan Schneider, para lembrar a perseguição aos residentes judeus da cidade no século XV.

A cidade de Castelo de Vide, no leste de Portugal, decidiu lembrar a fuga dos seus residentes judeus durante as Inquisições Espanhola e Portuguesa do século XV .



O prefeito de Castelo de Vide, Antonio Pita, que também atua como vice-presidente da Rede de Cidades Judaicas em Portugal, anunciou na semana passada que a cidade patrocinaria uma iniciativa para marcar os caminhos percorridos por judeus que fugiam da Inquisição Espanhola em 1492 e da Inquisição Portuguesa em 1496 .


O conselho de Castelo de Vide já guarda vestígios da história judaica da cidade, incluindo uma sinagoga e o bairro judeu (Juderia).

Em breve a cidade espera inaugurar o primeiro museu do mundo dedicado à memória da Inquisição que levou à expulsão de judeus da península ibérica e ao sofrimento de judeus conhecidos como "conversos" ou "cripto-judeus" que continuaram a apegam-se às suas crenças e práticas religiosas em segredo.

O novo projeto, intitulado "El Camino de Sefarad al muevo mundo" (A Rota Sefarad para o Novo Mundo) - está projetado para cobrir milhares de quilômetros rastreando o movimento de populações judias na Espanha ao longo da fronteira com Portugal durante a Idade Média.

Os refugiados da Inquisição finalmente alcançaram Lisboa e Porto, onde foram convertidos à força ou seguiram para outros destinos no Norte da África, Holanda, Terra de Israel e o Novo Mundo.


Walter Wasercier, vice-presidente da Cámara de Comercio Hispano – Israelí (Câmara de Comércio Hispano-Israelense) e ex-diretor da El Al na Espanha e Portugal, foi nomeado para coordenar o projeto, que foi iniciado em conjunto com Alan Schneider, diretor do B'nai B'rith World Center-Jerusalém.

Schneider prevê que as organizações israelenses e judaicas se juntem ao esforço e espera que a rota marcada seja uma atração para visitantes judeus e não judeus.

O Embaixador de Israel em Portugal, Raphael Gamzou, também deu o seu apoio ao projeto. Outros apoiadores incluem Assumpcio Hosta Rebes, secretário-geral da Associação Europeia para a Preservação e Promoção da Cultura e Patrimônio Judaico (AEPJ); Marta Puig Qixal, diretora-gerente da Caminos de Sefarad; e funcionários locais e regionais em Portugal e Espanha.

146 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação