Buscar
  • Kadimah

Autoestima em alta no confinamento

Sem aviso prévio, nossas vidas podem mudar e tomar uma nova forma, com novos desafios, como estamos vivenciando. Esta é uma experiência única e inédita, no formato e condições, que o planeta inteiro está vivendo!

Devido à pandemia do Coronavirus, uma doença que põe em risco parte significativa da população, fomos instruídos pelas autoridades em nos confinar ao máximo em nossas casas, o que causa diversas reações nas pessoas.

"A verdade é que essa realidade nos apresenta oportunidades únicas. São lições como humildade, fraternidade, responsabilidade, crescimento pessoal, entre muitas outras. O mundo, depois dessa experiência, definitivamente não será o mesmo que conhecíamos", explica o rabino Rav Sany, especializado em palestras motivacionais para diversos públicos, principalmente aos jovens. Segundo ele, a humanidade é chamada a uma enorme introspecção, a voltar a encontrar o seu interior, a lembrar dos valores que devem ser o centro de nossas vidas, reavaliar o sentido da vida.

Ele conta que no seu caso, como rabino, foi obrigado a fechar, neste período, seus centros judaicos físicos de transmissão de valores para jovens e se adaptar também a transmissões on line por videoconferência. "É um chamado para que todos se reinventem. De um jeito ou de outro, é importante que façamos de forma nova, de maneira diferente! Ao mesmo tempo que isso ocorre, voltarmo-nos cada vez mais à fé, com comportamento resiliente, mantendo a autoestima em alta, mantendo distante a depressão, encarando a realidade sob um outro prisma. É fácil? Não. Mas é preciso? Sem dúvida! É o novo modus vivendi", revela.


Ele afirma que o fato de um vírus microscópico vencer o ser humano, mesmo que momentaneamente, traz um impacto muito grande em seu ego, em achar que é um semi D´us. "Ele veio para induzir à reflexão, mas não à reflexão pessimista e sim ao pensamento evolutivo, de superação, onde a humildade mostra que não somos os todo poderosos, mas pertencentes a um todo onde devemos respeitar uns aos outros e a natureza, para, igualmente, sermos respeitados. Um ambiente onde a arrogância só nos leva ao precipício, igual ao que estamos vivenciando no momento", alerta.

E continua: "Sempre bati e continuo batendo na tecla de que em todas as circunstâncias devemos focar no que há de bom e positivo igual a Torá escreve que umas das características mais nobres é o Ain Tová (a visão positiva)", ele diz. E complementa dizendo não ser fácil, mas temos de nos esforçar. "Devemos sempre ter fé e manter a autoestima alta. Quem tem fé tem alegria interior", diz, motivante.

Ele nos convida a analisarmos com ele a diferença entre fixar uma meta e o caminho para concretizá-la.

"Vamos imaginar que alguém decidiu escalar o Everest. Quanto tempo ele demorou para fixar esse objetivo? Alguns minutos ou algumas horas? Agora para ele conseguir escalar e chegar ao topo do monte, quantos meses ou até anos de preparo fisico, emocional e psicológico ele não vai precisar para escalar e chegar lá? E, ao concretizar a meta, quanto tempo irá durar o momento da realização? Ele chegará ao topo, tirará uma selfie, obviamente para postar nas redes, e irá descer. A meta em si durou algumas horas e o caminho para chegar até a realização durou meses ou até anos! Mas a experiência em si, desde a sua conecpção, foi marcante em sua existência! Fez a diferença e mexeu em sua autoestima como um todo, mostrando que é capaz, pode se superar e conquistar coisas que nunca imaginou que conseguiria. Mexeu em todo o seu ser", nos informa.

De acordo com o rabino, nossa meta nesse exato momento é vencer o coronavírus e iremos vencê-lo. "Tenho certeza de que isso irá ocorrer! Mas o caminho para tal inclui o isolamento e outras medidas restritivas que podemos escolher curtir, ter uma experiência enriquecedora ou sofrer. Com certeza, o melhor será ter uma experiência prazerosa e evolutiva. E é isso que precisamos nos esforçar para conseguir ter", aconselha.   


Ele lembra a famosa história de Anne Frank, a jovem judia que ficou econdida por 25 meses na época da Segunda Guerra Mundial por pouco mais de dois anos, sem poder fazer um barulho sequer e em condições terríveis. "Antes de reclamarmos,  pensemos, com exemplo forte, naquela jovem, sem as condições que temos hoje, sem wifi, sem ar-condicionado, sem nenhum luxo e conforto que as famílias em quarentena possuem em seus lares atualmente", diz.  

E aconselha: "Vamos focar nos momentos maravilhosos em família que tudo isso está proporcionando. Momentos mágicos com nossos filhos, pais, irmãos... em leituras, estudos, em acesso a conteúdos enriquecedores e alegres. Esse momento nebuloso convida a todos a ativarem o gatilho do amor ao próximo e proporciona inúmeras opções de solidariedade aos mais vulneráveis, fazendo com que possamos praticar nosso altruísmo".

Segundo ele, são tantas as ferramentas de crescimento pessoal nessa quarentena que não podemos desperdiçar essa grande chance de reavaliar nossos valores e, depois dessa tempestade, olhar para trás com orgulho do que fizemos e muito mais sensíveis às coisas mais simples que antes eram banalizadas pela sociedade.

"Em meu canal do Youtube (By Rav Sany) estou postando pílulas motivacionais que irão abrir nossos olhos, nos alegrar e inspirar nesse momento em que o mundo tanto precisa. Em uma das mensagens para a quarentena, citei o grande rei de Israel, David, que em sua vida pessoal enfrentou algumas quarentenas. Uma delas ocorreu na caverna enquanto fugia do rei Saul o qual desejava matá-lo. Vocês sabem o que ele fez dentro da caverna de quarentena? Compôs para nós o capítulo 142 dos Salmos", explica.

Segundo o rabino, o rei David extraiu de toda aquela situação uma música inspiradora. "No final, tudo deu certo em sua vida, ele escapou da morte e virou rei. D'us só o colocou naquela situação para que escreva para nós aquele Salmo. Sem ela, não teríamos sua inspiração e sua luz em potencial não seria materializada", explicou.

"Muitas vezes como agora, o Criador nos coloca em situações difíceis mas são elas que nos fazem extrair a mais bela música escondida dentro de nossos corações. Focar no caminho com alegria, força, motivação e se orgulhar no futuro próximo de nosso crescimento que será notável depois que sairmos dessa caverna é o nosso objetivo no momento! Motive-se e tenha fé. Tenha certeza de que fará a diferença", finaliza, de forma motivante, o rabino Rav Sany.


28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação