Buscar
  • Kadimah

As 7 atrizes judias que moldaram Hollywood como a conhecemos

Fora da tela, suas vidas incluíam acusações de assassinato, aprender a falar línguas estranhas e ajudar a inventar um sistema de interferência de torpedos que lançou as bases para o desenvolvimento do Bluetooth.





Tanto na tela quanto nos bastidores, os diretores, produtores e escritores judeus são creditados com o desenvolvimento do sistema de Hollywood como o conhecemos hoje.


Essas sete atrizes judias pioneiras desafiaram as expectativas de gênero e muitas sobreviveram à perseguição religiosa, fugindo da Europa durante a Segunda Guerra Mundial.

Seus filmes são testemunhos de seu talento e comprovam o poder do cinema como um campo de escapismo e um veículo para explorar algumas das questões mais prementes do mundo.


Elisabeth Bergner (1897-1986)





A atriz austríaca Elisabeth Bergner foi indicada ao Oscar de melhor atriz em 1935 e pode até ter ajudado a criar o personagem principal do filme "All About Eve".

Bergner era uma das atrizes de cinema e cinema mais renomadas da Alemanha, conhecida por seus papéis andróginos e vestindo calças (algo bastante desconhecido na época).

Depois de se mudar para Londres, ela ajudou colegas a escapar da Alemanha nazista. Durante uma exibição de seu filme "A Ascensão de Catarina, a Grande", em Berlim, os nazistas fizeram uma revolta como parte de sua campanha maior para proibir a arte judaica.

Bergner e seu marido, diretor Paul Czinner, logo fugiram para os EUA, onde ela estrelou com Laurence Olivier em "Como Você Gosta" (1936). 

Ela voltou para a Europa após a guerra, atuando no filme de 1973 "Der Fußgänger" ("O pedestre"), indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro. 

Um parque da cidade de Berlim recebeu o nome de Bergner.


Libby Holman (1904-1971)




Como atriz americana abertamente bissexual, acusada de assassinar o marido (inspirando três filmes), Libby Holman levou uma vida controversa. 

Embora tenha sido considerado suicídio, a morte do marido de Holman, Zachary Smith Reynolds, manchou sua reputação e a cobertura do incidente foi marcada pelo antissemitismo.

Ela também era a mulher mais jovem a se formar na Universidade de Cincinnati e foi contra os padrões sociais ao fazer shows com músicos afro-americanos.

Holman fez amizade com Martin Luther King Jr. e ajudou a pagar sua viagem à Índia em 1959 para estudar os ensinamentos de Mahatma Gandhi.

Além de seu envolvimento no movimento dos direitos civis e de participar do filme experimental “Sonhos que o dinheiro pode comprar” (1947), Holman é amplamente lembrado como atriz de teatro.

Ela também foi creditada por popularizar o vestido sem alças, que era seu visual exclusivo


Ruby Myers (1907-1983)




Ruby Myers, apelidada de Sulochana, era uma atriz indiana de origem do Oriente Médio que desafiou as normas sociais de sua época ao estrelar os primeiros filmes mudos hindus. 

No final da década de 1700, judeus do Iraque, Síria e outras partes do Império Otomano chegaram à Índia, estabelecendo a comunidade judaica de Bagdá. 

Algumas das primeiras mulheres a atuar em filmes indianos vieram desta diáspora judaica.

Myers, que trabalhava como telefonista quando foi descoberta, hesitava em continuar atuando.

Mas ela estrelou filmes como "Typist Girl" (1926) e "Wildcat of Bombay" (1927), nos quais interpretou oito personagens.

Quando os talkies assumiram o controle, ela aprendeu hindustani.

Nos anos 30, Myers abriu sua própria produtora, Rubi Pics, e em 1973 recebeu o Prêmio Dadasaheb Phalke, o maior prêmio da Índia para cinema.


Sylvia Sidney (1910-1999)


Nascida por imigrantes russos-judeus, a atriz de teatro e cinema Sylvia Sidney ganhou fama nos anos 30 por interpretar a parceira de gângsteres.

Sidney estrelou ao lado dos principais atores de sua época, incluindo Humphrey Bogart, Cary Grant e Spencer Tracy.

Ela também foi uma das primeiras atrizes americanas a trabalhar com Alfred Hitchcock, aparecendo em "Sabotage" (1936).

A atriz também teve uma forte carreira no teatro e na televisão.

Mais tarde, Sidney foi indicado ao Oscar de "Desejos de Verão, Sonhos de Inverno" (1973).

Ela passou a atuar em "Beetlejuice" de Tim Burton e "Mars Attacks!", que foi seu último filme.

Por outro lado, ela criou cães pug para shows competitivos e escreveu dois livros sobre bordado.


Luise Rainer (1910-2014)




Luise Rainer, nascida na Alemanha, fez história como a primeira atriz a ganhar vários prêmios da Academia e vários de volta.

Apesar de uma carreira florescente no cinema e nos palcos em Viena e Berlim, ela se mudou para Hollywood na década de 1930 por causa da ascensão de Hitler ao poder.


Depois de apenas alguns anos nos EUA, ela ganhou seu primeiro Oscar por "O Grande Ziegfeld" (1936).

Ela interpretou Anna Held, esposa do produtor teatral Florenz Ziegfeld, no filme inspirado em fatos reais.

Depois de ganhar o segundo Oscar de "The Good Earth" (1937), sua carreira na MGM vacilou e mais tarde descreveu seu sucesso no Oscar como uma maldição.

Mas suas contribuições foram reconhecidas com estrelas tanto na Calçada da Fama de Hollywood quanto no Boulevard der Stars, em Berlim.


Lillian Roth (1910-1980)




Lillian Roth começou sua carreira como estrela infantil, fazendo sua estréia na Broadway em "The Inner Man" e passando a estrelar filmes da Paramount Pictures, incluindo "Animal Crackers" (1930) dos irmãos Marx.


Em sua vida pessoal, Roth lidou com o alcoolismo e não tinha autonomia em muitos de seus relacionamentos românticos: ela se casou muitas vezes.

Ela detalhou suas tribulações nas memórias de 1954 "Vou chorar amanhã", que foi um best-seller internacional.

Enquanto ela finalmente se converteu ao catolicismo, ela disse que nunca poderia esquecer sua herança judaica e que sua vida era mais rica por causa disso.

Em 1955, "Vou chorar amanhã" foi transformado em um filme com o mesmo nome e nomeado para quatro prêmios da Academia.


Hedy Lamarr (1914-2000)




Hedy Lamarr é talvez a única pessoa que tenha uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood e seja incluída no Hall da Fama do National Inventors.


Lamarr iniciou sua carreira no cinema europeu, mais notavelmente atuando nua no polêmico filme tcheco "Ecstasy" (1933).

Depois de deixar a Europa, ela se tornou uma estrela de Hollywood, com seu primeiro papel em "Argel" (1938), seguida por uma série de filmes da MGM.


Durante a Segunda Guerra Mundial, o inventora autodidata trabalhou com George Antheil, um compositor de vanguarda, para criar um sistema de orientação por rádio que frustraria as tentativas do Eixo de bloquear torpedos aliados.

Esse método de transmissão com salto de frequência seria fundamental no desenvolvimento do Bluetooth e de outras tecnologias.

Ela também foi uma das inspirações para a Branca de Neve da Disney e a Mulher-Gato original.


Fonte Times of Israel

1,058 visualizações0 comentário
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação