Buscar
  • Kadimah

A diretora do novo museu judaico de Berlim diz que está focada na vida judaica na Alemanha

Com um predecessor forçado a renunciar por um tweet visto como apoiante do BDS, Hetty Berg muda de marcha, jogando uma história compartilhada para trazer judeus e não judeus para o museu recém-reaberto

Por JOE BAUR




O diretor anterior do Museu Judaico de Berlim saiu na sequência de um tweet.

Em maio de 2019, depois que o parlamento alemão declarou antissemita o movimento de boicote, desinvestimento e sanções contra Israel-BDS, o museu tuitou uma crítica à decisão, argumentando que era antidemocrática, e compartilhou um artigo com vários acadêmicos judeus que concordavam.

A pressão pública aumentou contra o diretor, Peter Schafer, e um debate sobre o papel dos museus judeus e a legalidade do movimento BDS se seguiu.

Schafer ofereceu sua renúncia em junho "para evitar maiores danos".


Entrando na difícil posição está Hetty Berg, que começou seu mandato neste ano em 1º de abril, depois de passar os últimos 30 anos como gerente e curadora no Museu Histórico Judaico em Amsterdã, onde começou como estagiária.

Berg, 58, lamentou a saída de seu antecessor, mas agora está focada no funcionamento diário do museu, que foi reaberto no domingo após fechar em meados de março devido ao coronavírus.

Embora hesitante em falar muito sobre si mesma, Berg revela uma história pessoal com a qual muitos judeus nascidos à sombra do Holocausto podem se relacionar.

Nascida em Haia, sua família, como muitas famílias de judeus holandeses daquela época, não usava sua identidade judaica em suas mangas.

Não é que tivessem vergonha de serem judeus, Berg explicou, mas queriam ser vistos como holandeses.

Uma jovem Berg acabou se interessando em explorar sua herança judaica, e isso rapidamente se desenvolveu em aprender iídiche e hebraico, e viajar a Israel com frequência para visitar a família.


Agora ela está liderando uma nova exposição principal permanente intitulada

“A vida judaica na Alemanha: passado e presente ”.

A exposição de quase 38.000 pés quadrados enfoca a história e cultura judaica na Alemanha por meio de cinco capítulos históricos, começando com a vida judaica em Ashkenaz (no que agora é conhecido como a região alemã da Renânia).

Ele passa pelo Iluminismo e pelo Nacional-Socialismo e o período após 1945, destacando a restituição do Holocausto, as reparações e a relação da comunidade alemã com Israel e a imigração de língua russa.

Berg conversou com sobre seus pensamentos sobre BDS, a nova exibição principal, sua visão para o museu e a vida judaica contemporânea na Alemanha.

Esta entrevista foi editada em sua extensão e clareza.


Estou curioso para aprender mais sobre sua vida judaica enquanto crescia. O que o levou a aprender hebraico e iídiche?

Berg: Eu cresci em um lar secular. Muito humanista, mais engajado politicamente. Nada religiosos, mas não comíamos porco e comíamos matzás, mas com a Páscoa, não com Pessach.

Quando eu tinha 14 anos, tive aulas particulares de hebraico porque queria visitar nossa família em Israel.

E a partir de então, vou todos os verões desde que tinha quase 16 anos.

Quando estive em Londres, comecei a frequentar a sinagoga.

E quando voltei para Amsterdã, tornei-me membro da comunidade judaica.


Por que o repentino interesse em ir à sinagoga depois de ser criado no secularismo?

Tudo o que tinha a ver com o Judaísmo e ser judeu foi muito cobrado por causa da Shoah.

Muitos judeus na Holanda queriam sair daquele passado doloroso sem negar [seu judaísmo], mas também sem fazer nada ativamente com ele, pelo menos religiosamente.

Nos anos 80, você viu uma onda de filhos de sobreviventes do Holocausto que procuraram novamente por isso, cultura e religião.

O que era isso, esse judaísmo ou esse judaísmo pelo qual tantos membros da família foram mortos? Deve ter havido algo lá.

Como você decidiu fazer disso sua carreira? Eu não decidi por essa carreira. Foi uma feliz coincidência. Mas para essa busca pela história da família, esse trabalho de restituição, o Museu Judaico de Amsterdã era o lugar perfeito. Nesse sentido, também alimentou muito a minha curiosidade. Minha identidade judaica também encontra expressão em meu trabalho e é alimentada por ele. É uma forma muito intensa de lidar com a cultura, religião e história judaicas.

O que o atraiu a assumir o cargo em Berlim depois de tanto tempo em Amsterdã? Esta instituição é o maior e mais importante museu judaico da Europa. Tem um significado especial na sociedade alemã e é um espaço relevante para os debates atuais. Isso o torna muito interessante e desafiador, mas também uma honra liderar uma instituição como esta. O que você acredita ser o estado atual do diálogo sobre temas judaicos na Alemanha? Berlim é o lugar onde nasceu o Iluminismo Judaico, onde houve essa grande experiência de aculturação, e na República de Weimar, essa incrível simbiose entre judeus e Alemanha, principalmente na vida cultural.

E, claro, este é o lugar onde a “Endlösung” [Solução Final] foi planejada e dirigida. Berlim foi o centro durante todo o período nacional-socialista. Depois da guerra, tornou-se o local onde muito do trabalho de memória e do “Vergangenheitsbewältigung” [lidar com o passado] também teve lugar.

E também hoje, por um lado, existem essas expressões muito violentas de

antissemitismo.

Mas, por outro lado, há um renascimento da vida judaica e essa incrível diversidade de todos os tipos de expressões religiosas e culturais judaicas.

Portanto, há muita coisa acontecendo aqui em Berlim porque também atrai muitos judeus de todo o lugar, e eles têm novas ideias, o que torna também um lugar muito emocionante para se estar. Isso é algo que eu gostaria que o museu desse um pódio - essas novas ideias e essas novas iniciativas.

Você acha difícil discutir tópicos envolvendo BDS, Israel e antissemitismo na Alemanha? Esta é a pergunta que mais me perguntam, mas sou a diretora de um dos maiores e mais interessantes museus judaicos e há muito mais para falar sobre os tópicos da própria cultura judaica e a diversidade da vida judaica em Berlim e Alemanha.

Nosso foco não está no que está acontecendo no Oriente Médio e em Israel.

Estamos aqui. Estamos preocupados com a história e a cultura dos judeus na Alemanha, o passado e o presente; a dinâmica da sociedade aqui na Alemanha entre judeus e não judeus. Acho que esses são os tópicos que devemos tratar. Em nossa nova exposição central, o antissemitismo é tematizado e também contesta como lidamos com ele hoje porque, é claro, esses são tópicos muito importantes. Temos, por exemplo, um “debattenraum” [sala de debates], onde se discute o antissemitismo e oferecemos um forte programa educacional em torno desse tema. Existem estudos de caso como o Judensau em Wittenberg que são discutidos lá. Se deve ou não ser removido, o que isso significa, quais são as conotações? E queremos fazer com que as pessoas realmente pensem por si mesmas. O que é antissemitismo? Onde isso começa?

O que você acha do BDS? Eu disse em quase todas as entrevistas sobre o BDS que rejeito as idéias desse movimento porque ele não só pede um boicote ao Estado de Israel, mas também quer um boicote a todos os artistas e acadêmicos israelenses.

Acho que isso não pode levar adiante a discussão.

Quais são seus planos ideais para o museu? O que eu acho muito importante é que o Museu Judaico de Berlim será um lugar para judeus e não judeus porque essa história judaica na Alemanha é uma história compartilhada.

Até agora, uma porcentagem muito grande dos visitantes, 75%, veio do exterior, o que é maravilhoso. E eu realmente espero que em um futuro próximo, eles possam visitar aqui novamente em grande número. Mas meu objetivo também é chegar especialmente aos residentes de Berlim e aos alemães, porque quero que o museu seja um lugar socialmente relevante e desempenhe um papel social na sociedade.

E para isso, precisamos alcançar as pessoas que compõem essa sociedade - e essas são as pessoas que vivem aqui na Alemanha. Principalmente por todos os temas de que estamos falando aqui: pertencimento e exclusão e aculturação e manutenção da própria identidade e diversidade. Essas são as questões urgentes de hoje, mas também foram importantes ao longo da história. Além da exposição permanente, que outros tipos de exposições as pessoas podem esperar ver? Nossa primeira exposição temporária, com inauguração em fevereiro, se chamará “Redemption Now” de Yael Bartana e é sua primeira grande exposição individual aqui na Alemanha. Ela é originária de Israel, mas viveu muitos anos em Amsterdã e agora passa o tempo entre Berlim e Amsterdã. Yael Bartana é uma das melhores videoartistas contemporâneas e está trabalhando com temas judaicos. O Museu Judaico de Berlim também lhe deu uma tarefa para um novo trabalho em vídeo sobre Berlim, chamado “Malka Germania”. O próximo ano é um ano muito importante porque são 1.700 anos de vida judaica na Alemanha. Será celebrado de várias maneiras e pela Alemanha. Também serão celebrados trezentos e cinquenta anos da comunidade judaica em Berlim e teremos nosso 20º Jubileu no próximo ano. Para o 350º aniversário em Berlim, teremos também uma exposição sobre Moses Mendelssohn, que foi, claro, uma figura muito importante - não apenas para Berlim e a Alemanha, mas para o judaísmo como um todo. E teremos uma exposição da obra do fotógrafo Frederic Brenner, que fez um projeto sobre a atuação do judaísmo em Berlim hoje. Para o programa mais adiante, com certeza faremos uma exposição sobre os judeus na RDA [República Democrática Alemã ou Alemanha Oriental]. Este é um tópico em que poucas pesquisas foram feitas.

Quais são as novidades do novo museu infantil que está em obras há quatro anos? Deveríamos abrir com grandes festividades no dia 18 de maio a nossa nova mostra principal e o Children's World ANOHA. Nosso novo museu infantil conta a história da Arca de Noé com temas como sustentabilidade, clima, como conviver, como lidar com os recursos naturais e como lidar com todas as diferentes espécies de animais que precisam viver juntas nesta arca. Mais de 150 animais foram feitos por artistas com materiais reciclados. É muito, muito bonito. Como é muito prático, não podemos abri-lo agora, não até novembro. Mas isso será uma oferta completamente nova aqui no bairro. Será muito familiar e aberto a todas as culturas, então eu realmente espero que se torne um importante centro para o bairro.

Fonte JTA

122 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
banner-2021.png

Seja um Patrono Kadimah

Apoie a Revista Kadimah e fortaleça mais ainda a publicação